sexta-feira, agosto 24, 2007

Pensamentos

Escrevo este texto com a Gioconda a olhar intrigada para o aparecimento das letras e com a Irony a roçar-se junto aos meus pés e a querer também subir para as minhas pernas. A Iwo deve andar a «chatear» a minha mulher e os meus filhos na sala e a Gu está, como sempre, a aproveitar o frio dos mosaicos do hall. Os outros andam por aí espalhados, lembrando-se aos poucos que nós existimos do alto da sua sapiência. Os bebés dormem, ainda mais inocentes que os gatos adultos.

Escrevo este texto sem rumo e perdoem-me os meus amigos suecos, dinamarqueses, alemães, espanhóis, mas escrevo-o só em português porque traduzir é uma obrigação e eu não me sinto obrigado a fazer nada. Escrevo porque apetece escrever e porque essa é uma das razões deste blog existir. Escrevo feliz porque há muitos meses começámos a criar bosques e porque, para nós e sem qualquer hipocrisia, eles são os nossos melhores amigos. Sentem o que nós sentimos, vivem o que nós vivemos. Não lhes podemos pedir mais nada.

Mas também estou triste. Hoje li um relato assustador num fórum sobre a morte de um gatinho, escrito pelo dono, e revivi ali a morte da minha Buick, primeiro nos meus braços depois nos da minha mulher, impotentes, a caminho de um veterinário que fica a 5 minutos de distância. Revi a cara dos meus filhos quando viram aquele-que-devia-salvar-a-sua-vida reconhecer-se também impotente para a salvar. Sei que ao escolher fazer o que faço vou ter tantas tristezas como alegrias e tenho-me preparado para isso. Ou pelo menos julgo que tenho. Mas nunca se está tão preparado como se pensa.

A Buick está bem, acredito. Eu também estou bem, acredito. Podem voltar a acusar-me de estar a usar a sua morte para qualquer coisa, que o que menos importa é o que as outras pessoas pensam. Aliás, não me importa o que as outras pessoas pensam. Eu tive o prazer de estar com ela o tempo que ela quis estar comigo, e fico feliz por ela se ter cruzado no meu caminho só por gostar de gatos pretos. Fico feliz também por ter os meus gatos porque são menos pessoas a preencher o meu mundo. Alguém disse e tem razão: quanto mais conheço as pessoas mais gostos dos animais. Eu sublinho, reforço, risco por baixo um duplo-traço.

É verdade que muitos dias nos perguntamos se com outros veterinários as coisas teriam sido diferentes. Se em vez de virarmos para a direita tivéssemos virado para a esquerda... Talvez, não sei. É que também sabemos que fizemos sempre as coisas certas, tomámos sempre as decisões mais correctas. Isso eu tenho a certeza. Lembro-me que os primeiros dias foram difíceis, que algumas memórias ainda são, mas o tempo e sobretudo os outros gatos preencheram-nos as almas. A eles temos de agradecer. Ao Bryn por me pedir tantas festas, ao Mouro por roubar batatas acabadas de cortar, à Guyane por se deitar aos meus pés, à Gio pelas corridas intermináveis no corredor, à Josy pelo que sempre significou para mim, à Indra por se ocupar da Ana quase em exclusivo e pelos seus lindos bebés, às pequenas Iwo e Irony pelas brincadeiras que enchem a casa.

Fez há três dias seis meses que a Buick disse «até já». Por ter um emprego que me rouba bem mais do que oito horas diárias não consegui ter tempo para lhe mandar um beijo desde a minha insignificância. Aqui vai, pantera.

(by Luís)

1 comentário:

Anónimo disse...

Gostei muito do que escreveu e estou solidario consigo. Infelizmente sei o que é isso, no ano passado em Novembro eu e a minha esposa passamos pela mesma situação infeliz de ter perdido uma gata ou melhor 1 membro da nossa familia, porque para nós os animais são como nossos filhos.

Até qualquer dia
Nuno

Shadow Eyes Fan Box

Shadow Eyes on Facebook

Shadow Eyes Photo Gallery

Ocorreu um erro neste dispositivo
Ocorreu um erro neste dispositivo

Seguidores